terça-feira,16 de abril de 2024
07h38

‘Cometa do Diabo’ será visível no Brasil nas próximas semanas

Foto: Reprodução/Internet
Cauda em forma de chifres dá apelido ao cometa Foto: Reprodução/Internet
Corpo celeste fica em melhor altura nas regiões Norte e Nordeste
Por

O “Cometa do Diabo” estará visível no país a partir de 21 de abril. Conhecido como um dos corpos celeste mais brilhantes, devido a duas grandes erupções de gás, o cometa poderá ser visto de binóculo e até mesmo a olho nu. Nas regiões Norte e Nordeste, estará em melhor altura antes de outras partes do país. Com o nome técnico de 12P/Pons-Brooks, o objeto recebeu o apelido de “Cometa do Diabo” devido ao formato de chifres, que a cauda adquiriu por pressão da radiação solar.  

O corpo celeste demora 71,3 anos para dar uma volta em torno do Sol. No momento, encontra-se a 245 milhões de quilômetros da Terra, na constelação de Andrômeda. Em abril, ele estará mais próximo ao Sol, fase conhecida como periélio, quando atinge seu brilho máximo. Para observar a passagem do cometa, será preciso olhar para o horizonte oeste, na direção do pôr do sol, horário em que ficará mais visível. Não será possível observar o objeto em outras horas do dia mesmo com o uso de instrumentos óticos. 

No norte do país, especificamente no estado do Acre, devido à sua posição no extremo leste do Brasil, o cometa permanecerá visível até às 19h50. No nordeste, será possível observar entre 17h45  e 18h20. No Rio de Janeiro, até às 18h20. O horário varia de acordo com a hora em que o sol se põe nas diferentes regiões. O corpo celeste já está visível no hemisfério norte com o uso de equipamentos. A expectativa é que em 8 de abril seja possível observá-lo a olho nu.

Em 2 de junho, o cometa estará mais próximo da Terra, mas não há perigo de colisão. Uma das hipóteses levantadas pelos astrônomos sobre o formato de chifres seria que o objeto expeliria gás e poeira de forma desigual. Outra possibilidade estaria no bloqueio da visão de um material brilhante localizado por trás dele.

*Com informações do Jornal O Estado de S. Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *