Search
Close this search box.

quinta-feira, 20 de junho de 2024 – 15h13

Search
Close this search box.

Dados mostram que anomalia magnética no Brasil segue crescendo

Os mais recentes dados obtidos por Estados Unidos e europeus indicam o crescimento da Anomalia Magnética do Atlântico Sul
NOAA/Divulgação

Autor: METSUL.COM

Uma região magnética anômala no Oceano Atlântico Sul está crescendo, de acordo com dados que apareceram no mais recente relatório do governo dos Estados Unidos publicado neste ano. A chamada Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AMAS) é um local no Atlântico Sul em que a chamada magnetosfera que circunda o nosso planeta é mais fraca.

Imagem: ESA
Imagem: ESA

A anomalia é monitorada por diversas agências governamentais internacionais que compõem o World Magnetic Model (WMM), um “modelo harmônico esférico do principal campo magnético da Terra e sua lenta mudança temporal”.

Essas instituições incluem a Intelligence Agency (NGA) e o U.K. Defense Geographic Centre (DGC), com base em informações desenvolvidas pelo British Geological Survey (BGS) e pelo U.S. National Centers for Environmental Information (NCEI), que é responsável por monitorar o maior conjunto de arquivos contendo informações sobre dados atmosféricos, oceânicos, costeiros e geofísicos da superfície da Terra, bem como abaixo de sua crosta, estendendo-se até o núcleo planetário. 

O campo geomagnético do nosso planeta sofre constantes alterações resultantes da atividade que ocorre no núcleo da Terra, que os modelos atuais não são capazes de prever facilmente. Por causa disso, o Modelo Magnético Mundial só pode oferecer uma boa estimativa da atividade geomagnética da Terra em curto prazo ao longo do tempo e deve ser atualizado a cada cinco anos ou mais. 

De acordo com a versão mais recente do relatório, comparações feitas entre dados de dados que datam de 2019 com dados mais recentes disponibilizados pela Agência Espacial Europeia (ESA) e seus satélites Swarm concluíram que os modelos atuais ainda são precisos. No entanto, o novo relatório também detalha o que os cientistas caracterizaram como “aprofundamento” da Anomalia Magnética do Atlântico Sul que também é monitorada pela NASA. 

“A anomalia está se aprofundando e se movendo para o Oeste”, afirmam os autores no relatório. “A área afetada”, afirmam os autores, “aumentou cerca de 5% nesse período. Esse contorno se aproxima da região onde é mais provável que ocorram danos por radiação nos satélites”.

Altitude e posição da Anomalia do Atlântico Sul entre 2019 e 2023 | NCEI/NOAA

De acordo com o relatório, a anomalia continua a ter um impacto de várias maneiras, desde danos potenciais aos satélites devido à radiação excessiva, até a obstrução da propagação de ondas de rádio. Embora os autores do relatório também observem que se acredite que a AMAS impacte as regiões polares, eles acrescentam que “os impactos dependem menos da intensidade do campo”. 

Ao contrário de Mercúrio, Vênus e Marte, a Terra é cercada por um imenso campo magnético chamado magnetosfera. Gerada por forças dinâmicas e poderosas no centro de nosso mundo, a magnetosfera nos protege da erosão de nossa atmosfera pelo vento solar (partículas carregadas que nosso Sol lança continuamente), erosão e radiação de partículas de ejeções de massa coronal (nuvens massivas de energia e plasma solar magnetizado e radiação), e raios cósmicos do espaço profundo. 

A magnetosfera desempenha o papel de guardiã, repelindo essa energia indesejada que é prejudicial à vida na Terra, mantendo a maior parte dela a uma distância segura da superfície da Terra em zonas gêmeas em forma de rosca chamadas de cinturões de Van Allen.

O que mais chama atenção responde pela sigla AMAS que significa Anomalia Magnética do Atlântico Sul. Trata-se de um fenômeno que ainda é um mistério para a ciência e que não raro nas redes sociais alguém questiona se não estaria interferindo no clima do Brasil e da Amrica do Sul, apesar de não haver evidência alguma até o momento.

NOAA/Divulgação

A AMAS, que está crescendo e com seu centro mais perto da América do Sul, é uma espécie de defasagem na proteção magnética da Terra localizada sobre o Atlântico Sul, mais especificamente nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, em faixa que se estende até a África. 

Mas, como este déficit de blindagem bem acima do Atlântico Sul pode afetar a vida no nosso planeta? Uma consequência que já compreendemos é na atuação dos satélites que estão na órbita da Terra. Ao passarem pela região com baixa na retaguarda de proteção, eles podem apresentar avarias causadas pelo fluxo de radiação cósmica. 

Por isso, a anomalia é monitorada por agências espaciais como a ESA e a NASA, e mais recentemente pelo Brasil, que lançou ao espaço o nanossatélite NanosatC-BR2 com esta missão. É o que explicou à Agência Brasil o doutor em Física, pesquisador do Observatório Nacional, Marcel Nogueira. 

”Por que as agências espaciais tem interesse na anomalia? Porque como essa região tem um campo mais enfraquecido, as partículas do vento solar adentram nessa região com mais facilidade, o fluxo de partículas carregadas que passam por aquela região é muito mais intenso”, explica Nogueira. 

“Iso faz com que os satélites quando passam por essa região, eles tenham que, por vezes, ficar em stand by, desligar momentaneamente alguns componentes para evitar a perda do satélite, de algum equipamento que venha a queimar. Porque a radiação, principalmente elétrons, nessa região é muito forte. Então é de interesse das agências espaciais monitorarem constantemente a evolução desta anomalia, principalmente nesta faixa central”, complementa. 

Imagine um dia sem internet, celular, GPS ou meios de comunicação? Se o fenômeno afeta os satélites que são responsáveis por sistemas de comunicação e geoposicionamento, então ele pode afetar a nossa vida tão tecnológica. 

“Se gente estuda as tempestades também, temos condições de melhorar o nosso sistema de distribuição de energia elétrica e protegendo, evitando esses blecautes. Porque na vida cotidiana que a gente tem hoje em dia, tão dependente da tecnologia, qualquer tipo de apagão no sistema elétrico, de qualquer país, gera prejuízo de milhões ou até bilhões de dólares. É algo muito importante para nossa vida tecnológica hoje em dia.”, diz o pesquisador. 

No Brasil, além do nanossatélite lançado ao espaço em uma parceria com a agência espacial da Rússia, também há dois observatórios magnéticos que, entre outras missões, estão focados em responder questionamentos sobre esta anomalia: Vassouras, no Rio de Janeiro, e Tatuoca, na região amazônica. 

Ambos fazem parte da Rede Global de Observatórios Magnéticos, o Intermagnet. A falta de conclusões desperta curiosidade sobre a Anomalia do Atlântico Sul. Por isso é que ela acaba sendo popularmente associada a eventos como os já registrados no Triângulo das Bermudas. Mas, Marcel prefere dizer que o fenômeno é muito mais um desafio tecnológico e que não há conclusões que apontem para os riscos do fluxo das radiações cósmicas na vida humana.

Fonte: https://metsul.com/dados-mostram-que-anomalia-magnetica-no-brasil-segue-crescendo/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Arquivos NC